sexta-feira, 31 de agosto de 2012

O ORADOR GAGO

Lamenais foi uma figura célebre em sua época. Exímio orador em Roma, magnetizava as multidões com o seu verbo fácil e eloqüente. Suas palavras encantavam e fluíam quais melodias orquestrais, fazendo com que os seus concorridos discursos fossem momentos de grande enlevo intelectual e emocional. Os firmes argumentos que utilizava nas suas robustas defesas arrebatavam, tornando impossível qualquer réplica.

Todavia, fato curioso: as suas memoráveis palestras nunca eram feitas por ele, mas por alguns dos seus alunos mais experientes. E o motivo é que Lamenais, apesar da sua grande capacidade retórica, era gago. Quando jovem, ainda insistira em subir ao púlpito para falar ao público, estimulado pelos pais. Mas as sílabas travavam, a dicção não acompanhava a rapidez do seu raciocínio, sendo vítima da chacota dos ouvintes.

Tais eventos o causavam penoso constrangimento, qual punhal invisível que lhe fosse cravado dolorosamente no peito, gerando grande tristeza e frustração. Como não lograra êxito na busca da cura através dos médicos e terapias da época, recolheu-se, limitando-se a escrever suas teses, que eram defendidas por outros, não desejando mais expor-se.

Foi nesta época que resolvera fundar uma pequena escola de oradores que em pouco tempo tornou-se famosa, atraindo jovens alunos de toda a região, alguns dos quais tornaram-se conhecidos discípulos seus. Os seus opositores queixavam-se, desejando o fechamento da escola. Afirmavam ser impossível um homem gago formar oradores. Era como, diziam, um velho coxo formar poderosos guerreiros.

E foi sob essas acusações que Lamenais foi chamado a se defender publicamente. Ao contrário das suas longas dissertações, ele enviou por um dos seus orientandos um pequeno bilhete, que ao ser lido pelo jovem, dizia: "Sim, um homem gago pode formar grandes oradores. Pois ele é como a rocha phretah, encontrada nas praias do Mediterrâneo: nada corta, mas afia a lâmina das espadas para as batalhas."

Bruno Gomes
30/08/2012

* Inspirado na vida de Demóstenes.

2 comentários:

allmylife disse...

Moço, por onde andas que não atualiza mais o blog? Espero que esteja bem =)

Luiza Versamore disse...

Volte a escrever, admiro seu talento.
Obrigada por seguir o Blog Romance de Quinta!
Feliz 2013!
Beijos!