sexta-feira, 16 de setembro de 2011

A PIANISTA

Jovem e solitária pianista
Sozinha sobre o palco dos seus sonhos
Sem ovações, honras ou aplausos, emoção mista
Amada apenas quando parte em sorriso tristonho

Meditando sobre o silêncio para aprender a música
Juntando-se aos pecadores para adquirir inocência
Compondo canções inspiradas na maior da sua dor última
Escrevendo melodias nascidas da pureza da sua essência

Realizando estudos sobre longas noites de inverno
Através dos belos dias de primavera de tempos imemoriais
Ao fundo do teatro, deitada a sós no jardim eterno
Coberta por flores, contemplando a profundeza dos céus lustrais

Doce piano, obedece aos seus dedos finos e ágeis
Encantando, criando delicados aromas de sons
Perfumes desconhecidos, claridade e cores inefáveis
Harmonia inebriante, misto de prazer e misteriosos tons

Entre labaredas de fogo, melodia e constelações
Suas notas ecoam em mim como tremores e mil trovões

Bruno Gomes
31/03/2011

4 comentários:

Ju Marques disse...

A música das almas
é linda melodia
a embalar o amor.

Não há silêncio
que cale
esse torpor.

LUZ disse...

Oi Bruno,

A poesia está tão leve, quanto o som saído de um piano.
Está tão linda, tão suave!
Costumas escrever prosa, mas olha, que poesia não fica nada atrás.

Beijos de luz.

PapoBacana disse...

Que lindo amigo..
A cada dia escrevendo melhor..
muito belo seu texto, chega a ser melodico...

abraçoss..

Mariane Magno disse...

oouwn que lindo *--*


"Que bate e leva na canção
cada dor do coração "


Beijos Pandinha, lindo seu poema.. quero ver recitar no sarau *-*