terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

VOCÊ

Doce sorriso, quão belo és!
Contemplo-te em júbilo e encanto
Suave sorriso, quão magnífico és!
Pela eternidade eu o contemplaria em espanto

Por te evitar, sinto-te crescer
Por fugir, vem a me encontrar
Por me furtar, obriga-me a obedecer
Por te amar, leva-me a calar

Mas sorrio ainda por te ver sorrir
E choro mais por te ver chorar
Oro por querer tão bem a ti
Apesar de nunca vir a te tocar

E que dicotomia trágica!
Ser feliz e triste por te amar
Feliz por ver-te aproximar, mágica
Mas triste por ainda não poder te abraçar

Mas sorria para mim ainda uma vez
Para por um curto momento eu também sorrir
Para no raiar de mais um dia, um mês
Um sorriso no meu rosto ainda se abrir

E em prece peço a Deus
Para fazer você do meu peito sair
Mas Ele olha-me e em um breve adeus
A deixa dentro de mim ainda a sorrir

Mas que Deus malvado esse a me deixar sofrer
Tanto que O peço para de você me libertar
E o tempo passa, e você a crescer, a crescer
E eu aqui a chorar, a chorar

Mas como querer esquecer
Aquilo que não se quer que saia da mente?
Por que tem que ser tão confuso esse querer
Que tanto machuca e maltrata a gente?

Bruno Gomes.
12/03/2009

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

A MENINA DA FOTO

Existem pessoas lindas, mas que saem feias em fotos.
Existem pessoas feias, que ficam super simpáticas nas fotos.
Existem aquelas que são feias em qualquer situação.
E existem outras que são bonitas pessoalmente, em fotos, quando acordam, carecas, desarrumadas, etc.

Essa história que vou contar é de uma amiga que pertence ao último grupo.

Não importa em que circunstância ela se encontre, você sempre a verá maravilhosa, perfeita.
Eu já a vi de toca na cabeça, com bobs no cabelo, de avental, mal-humorada, escovando os dentes, de cabeça pra baixo, chupando manga...
E ela sempre transpareceu beleza em todos os mais diferentes momentos.

É o tipo de menina que seria angel da Victoria's Secret fácil, fácil.

Só que ela tem um grande defeito.
Quando nosso grupo de amigos tira fotos juntos, e ela está por perto, ela sempre fica dizendo: "Puxa, como fiquei feia nessa foto. Olha pra isso, eu estou horrível!"

Sempre foi assim desde que a conhecemos.

E eu, após um tempo de observação, fazendo uma análise do assunto, percebi claramente a intenção da postura dela.
Ela sabe muito bem que ela nunca sai feia em uma foto.
E isso é impossível, afinal ela é estonteante.

Mas quando ela faz isso, na verdade ela quer que nós falemos: "Que nada, você está linda! Pára com isso, você é super fotogênica."

Dessa forma, em toda foto que tiramos juntos ela fala: "Puxa, olha pro meu cabelo como saiu desajeitado. Olha a minha barriga! Estou gorda!"
E tudo isso para nós, os amigos ingênuos, massagearmos o ego dela: "Que nada, você é super bonita! Olha só o seu sorriso. Você é muito fofa."

Ou seja, é um narcisismo mascarado de pseudo-humildade.

Mas essa semana eu resolvi fazer o caminho contrário.
O grupo se encontrou e tirou algumas fotos juntos.
Quando estávamos olhando, lá veio ela com o velho e conhecido script: "Deleta essa foto, por favor! Me tira dela. Estou horrível!"

E eu então respondi: "Mas não é que você está certa mesmo? Você está bizarra!"
Ela falou: "Hum...?"
E eu continuei: "É isso mesmo. Você está acabada. Estragou a foto da gente. Que saco!"
Ela escreveu, tentando consertar: "Esse Bruninho, ai ai (risos)!"
Eu segui em frente: "Que Bruninho, o quê? Não mude de assunto não. Resolveu ficar fazendo careta na foto agora, foi? Sorria que é melhor, talvez ajude."

Diante da risada geral da galera, ela falou: "Ó Bruninho, dois autos. Eu estava brincando, viu?"
Eu segui fulminante, sem dó nem piedade: "E o que eu tenho a ver com isso? Você estava brincando, mas eu não. A foto tinha tudo pra ficar perfeita, todos ficaram lindos. E você fica fazendo macacada? Fala sério! Não tire mais foto com a gente não."

Claro que depois eu conversei com ela, falei que era só uma brincadeira e expliquei que ela não necessitava ficar falando que saía feia em todas as fotos só para nos ouvir falar que ela era bonita.
Falei que ela não precisava disso, de incessantes elogios, pois ela era uma das meninas mais lindas que eu já tinha visto e que todos nós sabíamos disso.

Bastou eu dizer isso para ela voltar ao velho discurso, sorrindo e alisando as pontas dos cabelos: "Ah Bruninho, pára com isso! Nem é assim também, né? Você fala que me acha bonita porque é meu amigo e não quer me dizer a verdade: que eu sou feia."

Bruno Gomes
08/02/2011