terça-feira, 30 de novembro de 2010

ROUPA SOCIAL

Devo confessar que nunca gostei de vestir roupa social.
Nada contra ela, muito pelo contrário; apenas acho que não faz o meu estilo.

Mas é claro que podem me chamar para qualquer festa que não farei ninguém passar vergonha.
Naturalmente, eu me visto com relativa correção.

Na verdade, considero-me uma pessoa que, em relação à vestimenta, pode ser chamada de contemporânea: me visto de acordo com a demanda da época em que vivo.
Mas aquela blusa de manga longa engomada, cheia de botões a me sufocar, aquele sapatinho de "velho"...

Não consigo me sentir confortável dentro daquilo.
Todavia, é forçoso admitir que, quando você vai chegando a idade adulta, é necessário se ter pelo menos um conjunto mais social no seu guarda-roupa.

Afinal de contas, quando se é mais novo, os lugares para onde se é convidado são por demais informais: festinhas de aniversário de amigos, a escola; depois vêm os shoppings, cinemas; logo após isso os shows, viagens e todas essas coisas.

Mas a partir de determinada idade os amigos e amigas começam a se formar, a se casar, os eventos vão se tornando mais chiques e requintados, demandando que você tenha uma roupa apropriada e correspondente a esses lugares.

Sabendo disso, resolvi comprar, faz uns cinco anos, uma blusa social creme horrível (mas que no dia eu achei lindíssima), uma calça social azulada e um sapato social marrom.
Não sei se o conjunto geral combinou, mas até hoje ninguém reclamou.

Mas aí eu ganhei um novo e colossal problema: as fotos dos eventos.
Pelo fato de possuir apenas esse conjunto social, nas fotos de casamentos e formaturas de todos os meus amigos, em anos distintos, você sempre me vê com a MESMA roupa.

E isso depois de um tempo, como seria de se esperar, começa a ser percebido e, o que é pior, comentado.

É constrangedor o fato das pessoas te convidarem para festas e já saberem previamente com que roupa você irá.
Algo do tipo: "O Bruno vai? Ah, tenho certeza que ele chegará lá com a famosa blusa creme, calça azul e sapato marrom!"

E o pior que as fotos comprovam o infeliz prognóstico.

Entretanto, o que me fez escrever esse texto foi um acontecimento curioso nesta semana.
Indo à formatura de uma grande amiga, a mesma me recebeu com um sorriso sarcástico, daqueles de canto de boca.
A experiência humana, no trato e convivência com várias pessoas, com diversas personalidades, te dá o toque psicológico para perceber tais coisas.

E eu me surpreendi com essa reação irônica, pois apesar dela certamente está muito feliz com a sua colação de grau, eu a tinha visto bastante triste recentemente, em uma conversa pessoal, por causa da morte inesperada do seu avô, sepultado alguns dias antes.

Percebendo essa atitude, após a abraçar, eu perguntei:
"Qual o motivo desse sorriso menina?", questionei.
"Você quer mesmo saber?", respondeu ela.
"Sim, é claro que eu quero", eu disse.
"Eu estou rindo pelo simples fato de você está vestindo na minha formatura a mesma roupa que você vestiu no enterro do meu avô há quatro dias atrás", concluiu.

Bruno Gomes
29/11/2010

3 comentários:

Davis disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Vei, que engraçado! Morri de rir, Bruno, meu irmão, vc ainda vai escrever um livro com suas histórias (ou estórias) engraçadas! kkkkkkkkkkkkkkkkk
Muito bom! Exelente, adorei essa história! Tá de parabéns!! rssrsrsr

<<< Davis >>>

Ricardo Dib disse...

kkkkkkkkkkkkk!
Parece um episódio de sitcom.

Abraço.

Mariane Magno disse...

kkkkkkkkkkkkkkkk.. só o pai viu Bruno, só o Pai!