terça-feira, 28 de setembro de 2010

O SACERDOTE E O POLÍTICO

Um sacerdote católico, muito amado e venerado pela população, celebrava as bodas de prata do seu ministério em uma pacata aldeia do interior. A igreja sede, devidamente decorada para aquela ocasião especial, estava lotada de fiéis, devido à caridosa influência do religioso.

Naquela noite a solenidade deveria ser presidida pelo governador proeminente da região. Todavia, apesar do agendamento ter sido feito com meses de antecedência, o famoso político não se apresentou ao templo no horário previamente estabelecido. O seu atraso era constrangedor e todos já comentavam e se impacientavam.

Em respeito as centenas de pessoas que se aglomeravam ansiosas no recinto, o sacerdote resolveu iniciar a solenidade. E na apresentação das suas memórias ele narrou:
"Recordo-me do primeiro dia em que cheguei a essa cidade. Fui muito bem acolhido. Pessoas generosas, muito amigas e gentis deram-me as boas vindas, enchendo-me o coração de alegria e confiança para a tarefa a ser desempenhada."

E após breve pausa, continuou:
"
Eu ainda me recordo da primeira confissão. Tratava-se de um rapaz jovem e idealista, filho de rica família da região, que me confessara o seu hábito de furtar. Ele havia furtado os seus pais, os seus avós, o seu patrão, entre outras pessoas próximas. Ele segredou-me também que era um hábil mentiroso, visto que conseguia mascarar as suas torpezas morais, deixando sempre nas pessoas que o viam uma imagem que não correspondia à realidade.

Acostumei-me ao afeto desse povo carinhoso..."

...etc e terminou o seu discurso.

Nesse ínterim, apesar do avançado da hora, chega a conhecida personalidade política ao lado da esposa. Ele adentrou o local sorridente, acenando para todos os presentes. Subiu apressado na tribuna, saudou o sacerdote e, após ajeitar o paletó, começou o seu discurso dizendo:
"Eu recordo-me do dia em que o nosso querido reverendo chegou a nossa cidade. Ainda guardo na lembrança o imenso privilégio de ter sido a primeira pessoa que se confessou com ele."

Bruno Gomes.
28/09/2010

Baseado em uma estória do seminário "Conflitos Existenciais" pelo orador Divaldo Franco.

2 comentários:

Davis disse...

boa história!! Fantástico!!!

<<>>

Ricardo Dib disse...

Foi sacanagem do padre! kkkkkk!

Abraço.